Resumo da Balança Comercial do Agronegócio Paulista, Janeiro de 2005

            Em janeiro de 2005 as exportações do Estado de São Paulo1 somaram US$ 2,47 bilhões (33,2% do total nacional), e as importações2 US$ 2,24 bilhões (42,6% do total nacional), registrando superávit de aproximadamente US$ 0,23 bilhão, contra um déficit de cerca de US$ 0,20 bilhão no mesmo mês em 2004. Em comparação com janeiro do ano anterior, o valor das exportações aumentou 42,8% e o das importações, 16,1%. O agronegócio paulista também apresentou exportações crescentes (+29,3%), atingindo US$ 0,75 bilhão, enquanto as importações aumentaram 3,6%, somando US$ 0,29 bilhão, com saldo de US$ 0,46 bilhão3, cerca de 53% maior do que o do primeiro mês de 2004 (gráfico 1).

            A participação das exportações do agronegócio paulista no total do Estado diminuiu 3,1 pontos percentuais, enquanto a participação das importações diminuiu 1,6 ponto percentual (gráfico 2).
            A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 2,18 bilhões em janeiro de 2005, com exportações de US$ 7,44 bilhões e importações de US$ 5,26 bilhões. Esse superávit, 37,1% maior do que o de janeiro do ano anterior, resultou de aumento nas exportações (+28,3%) superior à elevação no nível das importações (+24,9%). As exportações do agronegócio brasileiro cresceram 11,0% em relação ao primeiro mês de 2004, atingindo US$ 2,73 bilhões (36,7% do total). Já as importações do setor subiram 2,6%, também em comparação com 2004, somando US$ 0,78 bilhão (14,8% do total).
            O superávit do agronegócio nacional foi de US$ 1,95 bilhão4, 14,7% superior ao de janeiro do ano passado (gráfico 3). A participação das exportações do agronegócio no total do País diminuiu 5,7 pontos percentuais, e a participação das importações do setor diminuiu 3,2 pontos percentuais (gráfico 4).

 

 

            Comparando-se o comércio exterior do agronegócio paulista com o do agronegócio brasileiro, as exportações de São Paulo representaram 27,5%, cerca de 3,9 pontos percentuais a mais do que em janeiro de 2004, enquanto as importações representaram 37,2%, 0,4 ponto percentual a mais do que no ano anterior (gráfico 5).

            Os agregados da balança comercial do Brasil e de São Paulo, para o total e para os agronegócios, são apresentados nas tabelas 1 a 4.

Tabela 1 - Brasil - Balança Comercial, Janeiro, 2004 e 2005 (US$ bilhão FOB)
 

Ano
Total
Agronegócio 
Partic. do Agronegócio(%)
Exportação
Importação
Saldo
Exportação
Importação 
Saldo
Exportação
Importação
2004
5,80
4,21
1,59
2,46
0,76
1,70
42,4
18,1
2005
7,44
5,26
2,18
2,73
0,78
1,95
36,7
14,8
Fonte: IEA/APTA/SAA-SP, a partir de dados básicos da SECEX/MDIC

Tabela 2 - Estado de São Paulo – Balança Comercial, Janeiro, 2004 e 2005 (US$ bilhão FOB)
 

Ano
Total 
Agronegócio 
Partic. do Agronegócio(%)
Exportação
Importação
Saldo
Exportação
Importação 
Saldo
Exportação
Importação
2004
1,73
1,93
-0,20
0,58
0,28
0,30
33,5
14,5
2005
2,47
2,24
0,23
0,75
0,29
0,46
30,4
12,9
Fonte: IEA/APTA/SAA-SP, a partir dos dados básicos da SECEX/MDIC

Tabela 3 - Participação da Balança Comercial do Estado de São Paulo, Janeiro, 2004 e 2005 (%)
 

Ano
Total
Agronegócio
Exportação
Importação
Exportação
Importação 
2004
29,8
45,8
23,6
36,8
2005
33,2
42,6
27,5
37,2
Fonte: IEA/APTA/SAA-SP, a partir dos dados básicos da SECEX/MDIC.

Tabela 4 - Comércio Exterior do Brasil e São Paulo, Variação Percentual, Janeiro, 2005 / 2004 (%)
 

Total 
Agronegócio 
Exportação
Importação
Saldo
Exportação
Importação 
Saldo
Brasil
28,3
24,9
37,1
11,0
2,6
14,7
São Paulo
42,8
16,1
...
29,3
3,6
53,3
Fonte: IEA/APTA/SAA-SP

____________________________

1 Estado produtor (Unidade da Federação exportadora), para efeito de divulgação estatística de exportação, é a Unidade da Federação onde foram cultivados os produtos agrícolas, extraídos os minerais ou fabricados os bens manufaturados, total ou parcialmente. Neste último caso, o estado produtor é aquele no qual foi completada a última fase do processo de fabricação para que o produto adote sua forma final.
2 Estado importador (Unidade da Federação importadora) é definido como a Unidade da Federação do domicílio fiscal do importador.
3 Excluindo-se bens de capital e insumos provenientes dos Demais Setores, o superávit do agronegócio paulista foi de US$ 0,54 bilhão, 42,1% superior ao de janeiro de 2004.
4 Excluindo-se bens de capital e insumos provenientes dos Demais Setores, o superávit do agronegócio brasileiro foi de US$ 2,22 bilhões.
 

Veja também a tabela: Resumo Mensal da Balança Comercial dos Agronegócios, 2004 e 2005 (janeiro)

Data de Publicação: 20/02/2005

Autor(es): José Roberto Vicente (jrvicente@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Nelson Batista Martin (nbmartin@uol.com.br) Consulte outros textos deste autor
José Sidnei Gonçalves (sydy@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Sueli Alves Moreira Souza Consulte outros textos deste autor

 

 

 


Governo do Estado de SP