voltar s






Acompanhamento de Preços no Mercado Varejista de Alimentos no Município de São Paulo – março e abril de 2017

No acompanhamento de variação dos preços de itens alimentícios no município de São Paulo durante o mês de março de 2017, verificou-se que a cesta de mercado do paulistano ficou 1,52% mais cara em relação a fevereiro de 2017, e 3,43% quando comparada a março de 2016. Neste mesmo período, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou variação positiva de 4,57% para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o que significa que a variação do valor cesta de mercado ficou abaixo do índice oficial de inflação. Com isso, conclui-se que, quando comparada com a variação do IPCA, houve deflação do valor da cesta de mercado do paulistano entre março de 2017 e março de 2016.

Para o grupo de produtos formado por itens de origem animal, a variação no mês foi de 1,80%, sendo que os três subgrupos também apresentaram variação positiva, com destaque para os ovos, que apresentaram variação mensal de 6,42%, e a pescada média com 17,17%. Possivelmente, os preços destes dois itens sofreram influência do período de quaresma que se iniciou no 1º dia do mês de março. Para o grupo de produtos de origem vegetal, observou-se o percentual mensal de 1,25%, impulsionado pelo subgrupo “hortaliças” (5,54%), em especial pelo item “tomate”, com variação mensal de 12,19%.  Na figura 1 são apresentados os percentuais de variação no mês por grupos, subgrupos e produtos que se destacaram no período.

No mês de abril de 2017, houve variação mensal positiva de 0,72% no valor da cesta de mercado das famílias paulistanas; caso seja relacionado o valor acumulado anual (abril de 2017 e 2016), tem-se um valor de 3,59%, índice inferior a inflação oficial brasileira (4,08%) medida em igual período pelo IBGEEm relação ao grupo de produtos de origem animal, foi apurado um valor mensal de 1,63%, destacando-se a variação de 2,25% do subgrupo “carnes”. Possivelmente, este valor esteja relacionado ao fim da isenção do ICMS para carnes no Estado de São Paulo. No grupo de produtos de origem vegetal, houve recuo de 0,22% quando comparado a março de 2017, e os subgrupos “frutas” e “produtos básicos” registraram variação negativa neste período. A figura 2 apresenta os resultados por grupo, subgrupo e principais variações de preços.


- COMO ENTENDER AS FIGURAS

         Nas figuras estão dispostos os seguintes resultados:

1) Índice total - equivale ao Índice de Preços da Cesta de Mercado Total (IPCMT) divulgado mensalmente pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), e é obtido através do cálculo de variação de preços no mês atual em relação ao anterior ponderados pela sua importância na cesta de mercado das famílias paulistanas;

2) Índice por grupos - para os produtos de origem animal equivale ao Índice de Preços da Cesta de Mercado de Produtos de Origem Animal (IPCMA) e para os produtos de origem vegetal equivale ao Índice de Preços da Cesta de Mercado de Produtos de Origem Vegetal (IPCMV). É calculado de forma análoga ao índice total, só que composta por produtos conforme a origem, animal ou vegetal;

3) Indicadores por subgrupos - são calculados seguindo a mesma regra dos anteriores. O objetivo é indicar a contribuição do subgrupo na formação dos índices por grupos e total; e

4) Variação por produtos - o objetivo é mostrar quais produtos tiveram maior influência na formação do índice no mês.

 

 

 __________________________________

 

 

Palavras-chave: varejo, alimentos, município de São Paulo.


 

 

enviar Envie este texto por email


Data de Publicação: 05/06/2017
Autor(es): Vagner Azarias Martins (vagneram@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Priscilla Rocha Silva Fagundes (priscilla@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor