Preços dos Alimentos no Atacado em Dezembro e Resultados Finais de 2018

Este estudo apresenta e analisa a variação dos preços médios do mercado atacadista da Região Metropolitana de São Paulo² (RMSP) para o mês de dezembro de 2018, discutindo comparações em relação ao mês anterior, ao ano corrente e ao de um ano atrás. Pontualmente, também são utilizados períodos maiores para ampliar a discussão das causas e consequências das variações em estudo. Tal esforço compõe uma série analítica divulgada mensalmente pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) desde junho de 2018.

O trabalho reúne preços dos 22 produtos de maior importância no sistema de comercialização paulista, extraídos de um conjunto composto de 55 itens coletados diariamente, sendo 27 produtos de origem animal e 28 de origem vegetal. Essa iniciativa busca apresentar possibilidades de tratamento e análise das informações coletadas e divulgadas pelo IEA, desde meados da década de 1960. Dessa forma, aqui são agrupados os preços médios mensais coletados diariamente, obtidos pelo levantamento em diversos estabelecimentos³ que comercializam produtos alimentícios no nível de comercialização “atacado”. Com base nessa coleta, é calculada a média simples mensal dos preços mínimos e máximos diários4 de venda dos produtos divulgados no boletim diário de preços.

Neste mês, observa-se na tabela 1, que 9 produtos tiveram cotações inferiores às observadas em novembro, enquanto em 13 itens houve variação positiva de preços. Já em relação há um ano, a situação é praticamente a mesma, 8 produtos apresentaram quedas, enquanto 14 produtos registraram acréscimos nos preços.

No artigo de acompanhamento dos preços médios do mercado atacadista de novembro5, citou-se que os preços das carnes poderiam estar sendo influenciados pelas festas de fim de ano. Em relação à carne bovina, a previsão se confirmou: a carne bovina resfriada traseiro c/ osso (parte mais nobre do boi e mais utilizada em confraternizações) apresentou aumento de 7,36%, enquanto as partes de menor valor (dianteiro e ponta de agulha) tiveram seus preços reduzidos no mês em 3,57% e 1,28%, respectivamente. Em relação à carne suína, observou-se em dezembro um pequeno aumento de 0,17%, mas este item vem em um crescente de preços desde agosto, quando o quilograma estava cotado a R$5,17. A variação acumulada deste item nos últimos cinco meses foi de 13,54%. O frango




resfriado apresentou redução nos seus preços médios de 3,12% em relação a novembro; entretanto, o preço atual está 13,94% mais valorizado do que há um ano, considerando-se que a inflação no período foi de 4,21% (IPCA/IBGE)6, verifica-se um significativo aumento real do produto .

Nos demais produtos destacam-se no mês a redução de 5,02% do café torrado e moído e os aumentos de 17,94% do feijão carioquinha e de 20,75% da cebola proveniente de São Paulo.

A figura 1 mostra a variação de 12 meses dos 22 produtos acompanhados e a linha da inflação acumulada (4,21%) entre dezembro/2018 a dezembro/2017 medida pelo IPCA-IBGE. Quase a metade dos itens, 10 de 22, tiveram variação anual superior à da inflação. O grande destaque deste agrupamento é o feijão carioquinha, que superou 75% de variação em um ano; em dezembro de 2017 a saca de 60 kg estava cotada a R$81,75 e atualmente é comercializada, na média, em R$143,75. Quatro produtos, a carne suína ½ carcaça, carne bovina resfriada ponta de agulha, traseiro c/ osso e arroz agulhinha tipo 1, sofreram variações positivas, porém abaixo da inflação, de 0,86%, 1,31%, 3,22% e 2,49% respectivamente. Os demais 8 itens, ovo extra (branco e vermelho), óleo de soja, farinha de mandioca (crua fina e grossa), café torrado e moído e os alhos (nacional e chinês), tiveram variação negativa quando comparados aos preços de um ano atrás. O destaque de redução de preços são as farinhas de mandioca com aproximadamente 15% de queda, na média.

 

Como se trata da análise do mercado atacadista do último mês do ano de 2018 e, considerando-se que a cada mês deste ano desde junho, publicou-se sistematicamente um artigo de acompanhamento deste nível de comercialização. Serão discutidos neste artigo alguns dos principais itens de consumo da população paulista, com base nas análises anteriores e nas figuras de 2 a 8, que mostram o comportamento das cotações ao longo do ano de 2018.


Preço médio do frango resfriado (kg)

 

 

A figura 2 mostra a evolução dos preços médios mensais do fardo de 30 kg de arroz agulhinha tipo 1 em 2018. Observa-se que o produto iniciou o ano cotado a R$64,08 e fechou o ano a R$65,90, variação positiva de 2,84%, valor inferior à inflação em 2018 (3,75%) segundo o IBGE7. Na análise do mercado atacadista8 realizada no mês de julho, destacou-se que a cotação deste mesmo mês foi de R$69,11, a maior desde março de 2017 e, em outubro, esse valor foi superado, quando o produto alcançou R$70,50 como preço médio de comercialização na Região Metropolitana de São Paulo. Neste mesmo mês, foi citado na análise mensal9 que o significativo aumento das exportações de arroz em 2018, quando comparadas a 2017, pode ter impulsionando o aumento de preços no mercado interno.

A figura 3 mostra os preços do feijão carioquinha tipo 1 (sc. 60 kg) em 2018. As variações de preços nos últimos dois meses do ano foram determinantes para a variação acumulada anual de 47,01%. Ao longo das análises efetuadas em 2018, observou-se que o período de maio a julho foi mais seco que a média, prejudicando sensivelmente a produtividade10.

A figura 4 acompanha as variações dos preços médios de todas as variedades das batatas escovadas e lavadas no ano corrente. Observam-se na figura duas situações de expressivo aumento no ano, em maio e em dezembro. A paralisação dos caminhoneiros ocorrida em maio foi o fator predominante para o produto alcançar a cotação de R$109,32 e, no final do ano, o clima e a entressafra do produto levaram a cotação da saca de 50 kg para R$98,35 em média11. 

A evolução das cotações de cebola durante o ano de 2018 é observada na figura 5. A variação de preços ao longo do ano é muito influenciada pelas safras nacionais, que ocorrem em diferentes épocas, com oferta diferenciada e pela importação da cebola, em especial da Argentina. O “pico” de preços em maio ocorreu devido à greve dos caminhoneiros e à cotação do dólar que encareceu a importação do produto12.

A figura 6 apresenta claramente a redução de preços do café torrado e moído durante o ano de 2018. Em janeiro, o pacote de 500 g era cotado a R$8,17 e, no último mês do ano, o preço médio foi de R$7,19, queda de 12,00%. Na análise do mercado atacadista de agosto, destacou-se a queda de preços do café durante o ano e o motivo é a ótima safra obtida no último ciclo produtivo13.

Na figura 7 está apresentada a evolução dos preços do litro do leite longa vida no mercado atacadista da Região Metropolitana de São Paulo. Observa-se na figura que a maior cotação foi verificada em julho e desde então os preços vêm caindo. O preço médio de dezembro de 2018 é 3,88% superior ao valor praticado no mês de janeiro. A alta de preços, observada nos meses de junho e julho, foi reflexo dos problemas ocasionados pela greve dos caminhoneiros e pelo período de entressafra, agravado com o clima mais seco que a média14, 15.

O último produto a ser abordado é o frango resfriado, cuja evolução do preço médio mensal (em kg) está apresentada na figura 8. Observa-se uma tendência de alta ao longo de 2018, com variação de 18,58%, valor bem acima da inflação para o período (3,75%). Como em diversos outros produtos, o maior preço do ano foi cotado em junho (R$4,68), também pelo reflexo da paralisação dos caminhoneiros16, 17.

Este trabalho teve por objetivo apresentar os resultados de dezembro de 2018 e a evolução dos preços e variações no ano e há um ano. Com isso, fecha-se o acompanhamento de preços do mercado atacadista da Região Metropolitana de São Paulo em 2018.

  

___________________________________________________

1Este é um trabalho mensal que visa acompanhar as variações de preços do mercado atacadista de alimentos na Região Metropolitana de São Paulo. Para viabilização desse estudo, os autores agradecem o empenho dos técnicos Aldo Fernando de Lucca e Magali Aparecida Schafer de Lucca, responsáveis pelo levantamento diário de preços, e dos estagiários Beatriz Pontes Ruiz, Caio Daniel Pinto de Lima e Fernando Buzzo Leite, que completam a equipe de coleta de dados. Também agradecem a colaboração do assessor técnico Daniel Kiyoyudi Komesu na formatação de tabelas e gráficos.

 

2Também conhecida por Grande São Paulo, foi instituída em 1973 e reorganizada em 2011 pela LC n. 1.139/2011, e é composta por 39 municípios. A região norte é formada por: Caieiras, Cajamar, Francisco Morato, Franco da Rocha e Mairiporã; a leste: Arujá, Biritiba-Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Santa Isabel e Suzano; a sudeste por: Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul; a sudoeste por: Cotia, Embu das Artes, Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Taboão da Serra e Vargem Grande Paulista; e a oeste por: Barueri, Carapicuíba, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus e Santana de Parnaíba. Ver em: EMPRESA PAULISTA DE PLANEJAMENTO METROPOLITANO - EMPLASA. Sobre a RMSP. São Paulo: EMPLASA. Disponível em: <https://www.emplasa.sp.gov.br/RMSP>. Acesso em: jul. 2018.

 

3Entende-se por estabelecimento atacadista um local físico separado onde se processam vendas no atacado, isto é, vendas em grande quantidade para empresas (em oposição às vendas em pequena quantidade para o consumidor final). Os compradores utilizam os bens adquiridos para: a) revender almejando lucro (comércio atacadista ou varejista); b) produzir outros bens (indústria); ou c) usar para fins institucionais (por exemplo, restaurantes industriais). Conforme: PINO, F. A. et al. Levantamentos de preços por amostragem: mercado atacadista de produtos agrícolas na cidade de São Paulo. Revista de Economia Agrícola, São Paulo, n. 47, v. 2, p. 1-19, 2000. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/OUT/verTexto.php?codTexto=416>. Acesso em: out. 2018.

 

4Os preços coletados referem-se ao pagamento à vista, incluindo todos os gastos (beneficiamento, industrialização, preparo, acondicionamento, transporte, comissões, impostos, etc.).

 

5MARTINS, V. A.; ANGELO, J. A. Mercado Atacadista: comportamento dos preços em novembro de 2018 mostra a alta de valores de carnes com as festas de fim de ano. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 12, p. 1-7, dez. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/AIA/AIA-76-2018.pdf>. Acesso em: jan. 2019.

 

6PORTAL DE FINANÇAS. IPCA/IBGE. São Paulo: Portal de Finanças, 2017. Disponível em: <http://www.portaldefinancas.com/ipca_ibge.htm>. Acesso em: jan. 2019.

 

7IPCA VARIA 0,15% EM DEZEMBRO E FECHA 2018 EM 3,75%. Agência IBGE Notícias, 11 jan. 2019. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/23558-ipca-varia-0-15-em-dezembro-e-fecha-2018-em-3-75>. Acesso em: jan. 2019.

 

8MARTINS, V. A.; ANGELO, J. A. Análise da variação dos preços médios no mercado atacadista da região metropolitana de São Paulo - julho de 2018. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 8, p. 1-5, ago. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/aia/AIA-47-2018.pdf>. Acesso em: jan. 2019.

 

9MARTINS, V. A.; ANGELO, J. A. Arroz e feijão seguem direções opostas no mercado atacadista de São Paulo - outubro de 2018. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 11, p. 1-6, nov. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/aia/AIA-73-2018.pdf>. Acesso em: jan. 2019.

 

10Op. cit. nota 9.

 

11Op. cit. nota 5.

 

12MARTINS, V. A.; ANGELO, J. A. Carnes em alta no mercado atacadista de São Paulo em setembro de 2018. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 10, p. 1-7, out. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/aia/AIA-64-2018.pdf>. Acesso em: jan. 2019.

 

13MARTINS, V. A.; ANGELO, J. A. Queda de 2,31% nos preços médios no mercado atacadista da região metropolitana de São Paulo - agosto de 2018. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 9, p. 1-5, set. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/aia/AIA-58-2018.pdf>. Acesso em: jan. 2019.

 

14Op. cit. nota 13.

 

15Op. cit. nota 12.

 

16Op. cit. nota 12.

 

17MARTINS, V. A. Paralisação dos caminhoneiros impacta os preços dos alimentos no mercado varejista de São Paulo em junho de 2018. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 7, p. 1-4, jul. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/ftpiea/aia/AIA-40-2018.pdf>. Acesso em: jan. 2019. 

 

Palavras-chave: mercado atacadista, alimentos, variações, São Paulo.


Data de Publicação: 15/01/2019

Autor(es): Vagner Azarias Martins (vagneram@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (alberto@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor