Demanda paulista de milho é de 6,6 milhões de t e importações caem

            A demanda de milho no Estado de São Paulo, por parte dos vários segmentos da cadeia de produção, deve encerrar o ano-safra 2002/03 em 6,620 milhões de toneladas, inferior à oferta total de 6,956 milhões de toneladas. Assim, o estoque final foi estimado em 336,4 mil toneladas pela Câmara Setorial de Milho da Secretaria de Agricultura e Abastecimento.
            De acordo com as estimativas para 31 de janeiro de 2004 (fim do ano-safra), a avicultura de corte vai consumir 2,411 milhões de toneladas (mais 2% sobre o ano-safra 2001/02). Já o segmento industrial deve consumir 1,050 milhão de toneladas (mais 5%), enquanto os produtores de ovos devem repetir o consumo do ano anterior (855,2 mil toneladas). Por sua vez, a suinocultura vai apresentar queda de 10% no consumo, para 729,9 mil toneladas, enquanto a pecuária deve consumir mais: produtores de leite, 285,4 mil toneladas(acréscimo de 4%) e de corte, 163,3 mil toneladas (5%).
            Segundo o pesquisador do IEA Alfredo Tsunechiro, o aumento de 14,3% na produção paulista, para 4,631 milhões de toneladas, e a manutenção da demanda, explicam a menor necessidade de importação de milho por parte do Estado de São Paulo, estimada em 2,159 milhões de toneladas (menos 11,3%).
            Para acessar a tabela completa de oferta e demanda de milho, clique aqui.

Data de Publicação: 16/12/2003

Autor(es): José Venâncio De Resende (venancio@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor