Dispêndio com Alimentos no Município de São Paulo cai em Julho de 2018¹

No mês de julho de 2018, o levantamento mensal de preços de alimentos no mercado varejista de São Paulo, realizado pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), mostrou que o valor da cesta de mercado (valor do dispêndio alimentar) recuou 1,29% em relação ao de junho, após dois meses de alta. Esse valor foi altamente influenciado pelos produtos FLV (frutas, legumes e hortaliças), em termos percentuais, o agrupamento de frutas mostrou recuo de 4,92% e as hortaliças de 14,71% (Figura 1). Esses grupos já tinham apresentado resultados negativos no mês anterior, entretanto, o índice de junho foi o maior do ano, com variação de 4,84%2. Esse alto valor registrado no mês anterior foi causado pelos produtos de origem animal, cuja variação foi de 8,55%3. No mês atual esse índice caiu para 0,34%. A tabela 1 mostra os itens que compõem o subgrupo “carnes”. São 27 produtos, entre cortes e derivados bovinos e suínos, frango e pescado. No mês de junho, desses itens, apenas o bacon teve seu preço reduzido em relação a maio. Em julho, a situação dos 27 itens se inverteu, apenas oito produtos apresentaram preços médios superiores a junho e os demais apresentaram queda de preços. Nota-se nesse resultado que dos produtos que variaram positivamente, quatro são de origem suína, entre cortes e derivados (bacon, costela, linguiça e presunto) e os demais produtos de origem bovina (carne seca, fígado, filé mignon e músculo). O produto frango inteiro, que no mês anterior sofreu aumento de 21,03%, altamente afetado pela paralisação dos caminhoneiros, teve recuo de preços em julho de 3,54%. Possivelmente, esses resultados demonstram que o efeito do movimento grevista já não influencia mais a comercialização da maioria dos produtos no varejo.

A figura 1 mostra os índices do mês de julho com relação a junho e os produtos em destaque no mês. Os resultados dos preços médios dos produtos de origem animal, apesar de apresentarem variação positiva de 0,34% em relação a junho, mostraram que houve uma significativa queda de pressão nos itens que compõem esse agrupamento, em especial as carnes. Entretanto, o leite longa vida ainda apresenta preços em ascensão. Nesse mês, a variação foi de 7,70%, ao redor de 2 pontos percentuais a menos que em junho,
 

influenciada pela entressafra e ainda pelas perdas ocasionadas pela paralisação dos caminhoneiros. Os produtos vegetais apresentam queda de 2,94%, com grande influência das hortaliças, em especial, cebola e tomate que tiveram seus preços reduzidos, devido à maior oferta dos produtos no mercado. Em relação aos produtos básicos, observa-se a variação positiva de 5,93% da farinha de trigo, justificada por informações setoriais de que a instabilidade do dólar e a seca em regiões produtoras estão pressionando os preços (Figura 1).

 

 

 

 

COMO INTERPRETAR A FIGURA 1

         Na figura estão dispostos os seguintes resultados:

1) Índice total, que equivale ao Índice de Preços da Cesta de Mercado Total (IPCMT), divulgado mensalmente pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), é obtido pelo cálculo de variação de preços no mês atual em relação ao anterior, ponderados pela sua importância na cesta de mercado das famílias paulistanas;

2) Índice por grupos, que equivale ao Índice de Preços da Cesta de Mercado de Produtos de Origem Animal (IPCMA) para os produtos de origem animal, e ao Índice de Preços da Cesta de Mercado de Produtos de Origem Vegetal (IPCMV) para os produtos de origem vegetal. É calculado de forma análoga ao índice total; a diferença é que é composta por produtos conforme a origem, animal ou vegetal;

3) Indicadores por subgrupos, que são calculados seguindo a mesma regra dos anteriores. O objetivo é indicar a contribuição do subgrupo na formação dos índices por grupos e total; e

4) Variação por produtos, cujo objetivo é mostrar quais produtos tiveram maior influência na formação do índice no mês.

1Um bom trabalho de acompanhamento de preços necessita de uma correta coleta de preços no campo, por isso, o autor reconhece o fundamental trabalho realizado pelos técnicos, Andréia Brazão, Cristina Almeida Paes e Valdecir Luchiari na coleta diária de preços em centenas de equipamentos varejistas.

 

2MARTINS, V. A. Paralisação dos caminhoneiros impacta os preços dos alimentos no mercado varejista de São Paulo em junho de 2018. Análise e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 13, n. 7, p. 1-4, jul. 2018. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/TerTexto.php?codTexto=14489>. Acesso em: ago. 2018.

 

3Op. cit. nota 2. 

 

Palavras-chave: varejo, alimentos, preços e índices.

Data de Publicação: 10/08/2018

Autor(es): Vagner Azarias Martins (vagneram@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor