Perfil do trabalhador na agropecuária paulista evolui abaixo do esperado

            O perfil dos trabalhadores na agropecuária paulista, no período 1985 a 2002, de maneira geral passou por mudanças muito pequenas, ainda longe daquelas experimentadas pelos setores industriais, de comércio e de serviços. Estudo publicado na revista Informações Econômicas (edição de setembro de 2004) conclui que as variáveis medidas – remuneração, tempos de serviço, faixa etária, grau de instrução e gênero – revelaram uma evolução abaixo da esperada, no sentido de adequar o perfil do trabalhador aos requisitos de competitividade na nova 'Era do Conhecimento', preconizada para o Século XXI.
            Essa defasagem pode ser em parte justificada pela mais recente exposição do setor agropecuário aos novos requisitos e à sua expansão com o esforço exportador dos últimos anos. Assim, o setor tem sido forçado a modificar seus processos de produção e de gestão para aumentar a competitividade nos negócios, pelas vias da produtividade e da qualidade, desafios que requerem trabalhadores de perfil mais adequado que o tradicional anterior.
            O estudo adverte, porém, que há necessidade de orientação de políticas e ações públicas e privadas tendentes à aceleração evolutiva do perfil do trabalhador, para que se mantenham e se aprofundem as vantagens competitivas do agronegócio paulista, sem a restrição de 'gargalos' nas respectivas cadeias produtivas.
            Clique aqui para ver a íntegra da edição de setembro/2004 da revista Informações Econômicas.

Data de Publicação: 30/09/2004

Autor(es): José Venâncio De Resende (venancio@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor