Descompasso entre a produção agrícola e a infra-estrutura de armazenagem

            A demanda por armazenagem, representada pela produção de grãos, café e cana-de-açúcar (mais importação de trigo) em 2003, estimada em 155,2 milhões de toneladas, superou a oferta (capacidade dinâmica total), de 135,8 milhões de toneladas. As maiores necessidades de expansão foram constatadas nas regiões de incorporação mais recente do processo produtivo (Centro-Oeste e Norte-Nordeste), enquanto no Sul-Sudeste deveria ocorrer adequação das unidades para a armazenagem de granéis.
            É o que mostra o estudo "Produção agrícola e infra-estrutura de armazenagem no Brasil", publicado na edição de fevereiro da revista Informações Econômicas, cuja versão eletrônica está disponível neste site. A capacidade de armazenagem no Brasil não tem acompanhado o ritmo de crescimento do setor. Para identificar as regiões críticas da rede de armazenagem, os autores do trabalho compararam os dados da produção agrícola e das capacidades estática e dinâmica de armazenagem dos principais estados produtores e apontaram as regiões mais carentes de espaço armazenador.
            Os autores do artigo defendem investimentos contínuos na armazenagem, o que contribuiria com a melhora da competitividade do agronegócio brasileiro.
            A revista traz outros destaques como o fortalecimento de comunidades rurais no Brasil; a agricultura e o modo de vida num bairro rural no polígono das secas; a taxa de câmbio e o saldo comercial brasileiro; e novas estatísticas de salários rurais.

Para ver a íntegra da revista, clique aqui.

Data de Publicação: 07/03/2005

Autor(es): José Venâncio De Resende (venancio@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor