Preços Agropecuários: alta de 0,44% no fechamento do mês de março de 2013

O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 encerrou o mês de março de 2013 em alta de 0,44%. Separado em grupos de produtos, o IqPR-V (produtos de origem vegetal) subiu 1,08%, e o IqPR-A (produtos de origem animal) fechou em queda de 1,23% (Tabela 1).

 

   

 

Quando a cana-de-açúcar (que em março fechou em alta de 1,19%) é excluída do cálculo do índice devido a sua importância na ponderação dos produtos, os índices continuam em alta, o IqPR vai para 1,87% e o IqPR-V sobe para 5,18% (Tabela 1).

 

Os produtos do IqPR que registraram as maiores altas no mês de março foram: laranja para mesa (24,51%), batata (18,64%), banana nanica (17,89%), feijão (10,79%),  algodão (9,75%) e tomate para mesa (9,43 %) (Tabela 2).

 

A escassez de laranja de qualidade e o aumento da demanda com o fim das férias escolares, associados à menor concorrência com final de safra de outras frutas típicas do verão, propiciaram o reajuste nos preços recebidos pelos citricultores.

 

Para a batata, os preços são influenciados pela demanda derivada dos hábitos de consumo da Semana Santa.

 

A banana nanica recuperou, em parte, os preços que estavam muito baixos entre os meses de janeiro e fevereiro. A maior demanda com o início das aulas escolares contribuiu para esta valorização.

 

    

             No caso do tomate para mesa, as chuvas geraram perdas na colheita, com impacto conjuntural no abastecimento do produto, elevando seus preços.

 

Os produtos que apresentaram as maiores quedas de preços neste mês foram: amendoim (19,19%), carne suína (6,61%), leite C (5,48%) e carne de frango (5,32%) (Tabela 2).

 

Os bons preços do mês de fevereiro aceleraram a colheita da safra recorde de amendoim, colocando assim uma quantidade muito grande do produto no mercado, que consequentemente reduziu os preços recebidos pelos produtores.

Para a carne suína e carne de frango, a redução do consumo no período - os preços altos na concepção dos consumidores associados ao período da quaresma - resultou na queda dos preços pagos aos produtores.

 

Em resumo, em março, 10 produtos apresentaram alta de preços (8 de origem vegetal e 2 de origem animal) e 10 apresentaram queda (6 de origem vegetal e 4 de origem animal).

 

Na evolução dos últimos 12 meses, os índices apresentaram comportamentos diferentes, fundamentados principalmente nas altas dos produtos animais. IqPR e IqPR-V seguiram a mesma linha de tendência de suas  variações, em quase todo o período, com constante elevação de abril a setembro de 2012, em virtude de reajustes como os do arroz, feijão, batata e soja (Figura 1)3. Já nos meses de outubro e novembro, ancorados pelas desvalorizações das laranjas e da inversão nos preços da soja, o IqPR-V cai quase 6 pontos percentuais neste bimestre.

 

Em dezembro, estes índices voltam a ter ascensões devido ao reajuste da demanda ocasionada pela maior circulação monetária com o 13º salário. Após estabilização em janeiro, elevam-se novamente em fevereiro e março/2013 com as altas dos produtos perecíveis. Assim, de março de 2012 a março de 2013, puxado principalmente pelos produtos animais (IqPR-A), o IqPR no acumulado tem alta de 8,34%. Para o IqPR-V, bastante influenciado pela queda da cana-de-açúcar nesse mesmo intervalo (5,36%), a valorização acumulada é de  4,20% (Figura 1).


No caso dos produtos animais (IqPR-A), o acumulado nos últimos 12 meses registrou alta de 18,82%. Com exceção a maio de 2012, que apresentou queda do índice devido à desvalorização dos ovos no pós-quaresma, o comportamento deste indicador permaneceu praticamente estável de março a julho de 2012. A partir de agosto o índice sobe com maior intensidade provocado pela elevação dos custos da ração animal. De outubro a dezembro, a elevação do índice continua puxada principalmente pela carne suína, seguida dos ovos e da carne de frango. Recua em janeiro/2013 com o barateamento dos leites e da carne suína e volta subir em fevereiro com a reduzida oferta de ovos no mercado, mas perde força e registra leve declínio no mês de março com as desvalorizações dos preços do leite C e das carnes suína e de frango (Figuras 1 e 2).

 

          

 

O comportamento dos preços agropecuários paulista é fortemente influenciado pelo preço da cana-de-açúcar, quando analisados em grupo de produtos. Quando se exclui esse principal produto da agropecuária paulista, ainda que o índice continue seguindo as mesmas linhas de tendências para o IqPR e IqPR-V (vegetais), as oscilações nos índices são em maiores proporções, tanto para cima como para baixo (Figura 2).

 

Assim, no acumulado, os índices sem a cana registram altas bem superiores: 21,19% para o IqPR e 23,22% para o IqPR-V, puxados principalmente pelo tomate e a batata, e com exceção do café os grãos também contribuíram para alta dos índices (Tabela 1).

 

Manifestaram preços com incrementos em patamares mais elevados que a inflação acumulada para os últimos 12 meses (6,59%), medida pelo IPCA-IBGE: tomate para mesa (302,57%), batata (263,32%), trigo (59,67%), carne de frango (51,02%), ovos (39,17 %), arroz (38,51%), carne suína (32,38%), feijão (26,97%), algodão (21,05%), soja (19,34%) Em menor expressão variaram também positivamente: milho (6,55%), laranja para mesa (5,15%), carne bovina (3,11%), leite B (2,65%) e amendoim (1,62%) (Tabela 2).

 

Apresentaram reduções de preços os seguintes produtos: banana nanica (27,40%), café (25,60%), cana-de-açúcar (5,36%) e leite C (1,46%) (Tabela 2).

 

___________________

1A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/03/2013 a 31/03/2013 e base = 01/02/2013 a 28/02/2013.

 

2Artigo completo com a metodologia: PINATTI, E. et al. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v. 38, n. 9, p. 22-34, set. 2008. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573>. Acesso em: maio 2013.

 

3Para uma conferência pormenorizada das variações por produto nos últimos 12 meses, consultar: INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA – IEA. Banco de dados. São Paulo: IEA, 2012. Disponível em: <http://www.iea.sp.
gov.br/out/quadrissemana.php?codTipo=1&ano=2012>. Acesso em: maio 2013.

 

 

 

 

Palavras-chave: preços agrícolas, índice de preços, agropecuária paulista, março 2013.


Data de Publicação: 21/05/2013

Autor(es): Danton Leonel de Camargo Bini (danton.camargo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
José Alberto Angelo (jose.angelo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor

 

 

 


Governo do Estado de SP