Preços Agropecuários Continuam em Alta na Segunda Semana de Julho


 

O Índice de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1,2 continuou registrando alta (2,26 %) na segunda quadrissemana do mês de julho de 2019. Separado por grupos de produtos, enquanto o IqPR-V (grupo de produtos de origem vegetal) apresentou alta de 3,34%, o IqPR-A (produtos de origem animal) caiu 0,61% (Tabela 1). Nesta mesma tabela são apresentadas as variações das três últimas quadrissemanas de junho e as duas primeiras de julho/2019 para os índices calculados “com a cana-de-açúcar” e “sem a cana-de-açúcar”.

 

 

Quando a cana-de-açúcar (que teve alta de 2,84% na segunda semana de julho) é excluída do cálculo do índice na ponderação dos produtos, a alta do IqPR (sem cana) alcança um valor percentual menor, de 1,82%. Já o IqPR-V sem cana atinge uma alta maior de 4,07%. Destaca-se nessa comparação o peso que a cana de açúcar exerce no cálculo ponderado do índice vegetal (Tabela 1).

 

Doze produtos que compõem o IqPR apresentaram alta na segunda semana do mês de julho/2019 em relação à segunda semana de junho/2019. Destacaram-se nesse intervalo a batata (42,68%), a carne suína (11,41%) e o amendoim (7,22%) (Tabela 2).

Para a batata, uma menor área de produção que reduziu a oferta em todas as praças do Centro-Sul reajustou acima os preços recebidos pelos produtores. No intervalo de 12 meses a alta chega a 248,73%.

Acometido por enfermidades, o rebanho suíno chinês perdeu produtividade e aumentou a dependência do mercado asiático ao produto brasileiro. Esse reajuste na demanda desequilibrou a oferta no mercado interno, subindo os preços recebidos pelos suinocultores. 

Já o amendoim teve seus preços reajustados principalmente pela redução dos estoques causados pelo aumento da demanda das festas juninas.

 

Analisando os produtos que mais reduziram seus preços entre a segunda semana de julho/2019 e a segunda semana de junho/2019, temos: o tomate para mesa (19,53%), o arroz (7,82%) e a carne de frango (7,74%).

         Para o tomate mesa, doenças que acometeram o produto principalmente na região de Itapeva reduziram a qualidade e o preço do produto comercializado.

Do conjunto analisado, 12 produtos apresentaram alta de preços (8 de origem vegetal e 4 de animal) e 7 tiveram queda (6 de origem vegetal e 1 de animal).

 

 

 

1A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 16/06/2019 a 15/07/2019 e base = 16/05/2018 a 15/06/2018.

 

2Artigo completo com a metodologia: PINATTI, E. et al. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v. 38, n. 9, p. 22-34, set. 2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573. Acesso em: 12 mar. 2019.

 

 

 

Palavras-chave: IqPR, índice, preços recebidos, índices agrícolas, variações, indicadores.


 

Data de Publicação: 25/07/2019

Autor(es): Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor