A Carne de Frango no Estado de São Paulo em 2019


 

Segundo o United States Department of Agriculture (USDA)¹, a produção global de carne de frango crescerá 3% em 2019, para um recorde de 98,4 milhões de toneladas. É o maior crescimento dos últimos anos, amplamente apoiado por todos os principais países produtores: Estado Unidos, Brasil, China e União Europeia. Em 2018, o Brasil produziu 13,35 milhões de toneladas e exportou 3,68 milhões de toneladas. Em 2019, a previsão é de que a produção seja recorde de 13,63 milhões de toneladas e a exportação de 3,77 milhões de toneladas, mantendo-se como o principal player produtor e exportador em carne de frango no mundo2.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), em 2018, o valor bruto da produção do Brasil de carne de frango foi de R$50,49 bilhões. O Estado de São Paulo, com valor de R$6,28 bilhões, ficou na quarta posição no Brasil, atrás dos Estados do Paraná com R$16,37 bilhões, de Santa Catarina com R$7,42 bilhões, e do Rio Grande do Sul com R$6,28 bilhões3.

Segundo o Instituto de Economia Agrícola (IEA), no Estado de São Paulo, as incertezas econômicas desestimularam o avicultor, com oscilações abaixo na produção entre 2015 e 2018. Em a “Estimativa da Produção Animal no Estado de São Paulo para 2019”, nota-se que a recuperação do consumo de carne de frango já responde com uma produção de 1,57 milhão de toneladas e com um aumento de 17,41%4. Essa recuperação da produção no estado pode ser dada pelo crescimento da demanda de frango substituindo outros tipos carnes (Figura 1).

Em 2019, espera-se uma boa disponibilidade de milho e soja no mercado paulista, segundo a previsão de aumento na área de plantio e produção durante as safras; consequentemente, os preços médios das rações de frango para corte não apontam para um impacto que comprometa a receita líquida do avicultor.

 

 

Uma característica da produção de carne de frango do Estado de São Paulo é que ela é voltada ao abastecimento do mercado interno (ou seja, não pautado para a exportação)5. Dessa forma, essa produção é direcionada a circuitos de comercialização curtos que atendem demandas próximas às áreas de produção (a capital paulista, a região metropolitana e o interior do estado), onde se concentra a maior densidade demográfica do país e a maior renda per capita (Figura 2).

 

 

         Segundo dados do IEA, o valor da produção de carne de frango no Estado de São Paulo em 2018 foi de R$3,7 bilhões, ocupando a quinta colocação no ranking no Valor da Produção Agropecuária Estadual6, atrás dos valores de cana-de-açúcar, carne bovina, laranja para indústria e soja, havendo um decréscimo de 4,6% em relação ao ano de 2017. A produção da carne de frango em 2018 foi de 1,34 milhão de toneladas, uma perda de 11,1% sobre 2017 (Tabela 1).

Segundo dados do MAPA (Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio Brasileiro - AGROSTAT)7, em 2018 foram embarcadas pelo Estado de São Paulo 241,3 mil toneladas de carne de frango, 6% do total do país, com um decréscimo de 5,9% em relação ao ano anterior, que foi de 256,3 mil toneladas, ficando em quarto colocado no ranking, depois dos Estados do Paraná, do Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

A contribuição paulista na exportação, no período de 2018, foi da ordem de US$337 milhões no ano (Tabela 1).

 

 

Segundo dados do Fundo Monetário Internacional (FMI)8, os preços internacionais dos insumos milho e farelo de soja não tendem a grandes alterações em 2019, se mantida a situação de alta nas cotações das commodities destes insumos. E reconfirmando que o atual status sanitário da avicultura brasileira, marcado pela ausência de foco de influenza aviária, diferencia o país no comércio internacional, podendo continuar a estimular as exportações.

As previsões sobre o quadro econômico e as incertezas que rondam o mercado internacional podem afetar as exportações brasileiras de carne de frango, em função da guerra comercial travada entre China e Estados Unidos, devendo o Brasil sair-se beneficiado destas indefinições. Este cenário, porém, não permite estabelecer uma trajetória definida para o mercado internacional: a crise de peste suína na China pode desencadear uma supressão à demanda de grãos para fazer frente à menor necessidade de suprimento em insumos e a consequentes mudanças de consumo de proteínas desse mercado.

1UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE. Foreign Agricultural Service. Livestock and poultry: world markets and trade. Washington: USDA: FAS, abr. 2019. 21 p. Disponível em: https://apps.fas.usda.gov/
psdonline/circulars/livestock_poultry.pdf. Acesso em: jul. 2019.

 

2Op. cit. nota 1.

 

3VALOR da produção agropecuária é de 578,2 bilhões. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Brasília, 21 nov. 2018. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/noticias/valor-da-producao-agropecuaria-e-de-r-578-2-bilhoes. Acesso em: jul. 2019.

 

4BUENO, C. R. F.; GHOBRIL, C. N. Estimativa da produção animal no estado de São Paulo para 2019. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 14, n. 8, p. 1-6, ago. 2019. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/LerTexto.php?codTexto=14683. Acesso em: ago. 2019.

 

5OLIVEIRA, C. A. Análise do setor de carnes: Brasil, estado de São Paulo e MRL. 2014. 41 f. Monografia (Bacharelado em Gestão de Empresas) - Faculdade de Ciências Aplicadas, Universidade Estadual de Campinas, Limeira, 2014.

 

6INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA. Banco de dados. São Paulo: IEA, 2019. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/bancodedados.html. Acesso em: ago. 2019.

 

7MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA. Agrostat: estatísticas de comércio exterior do agronegócio brasileiro. Disponível em: http://indicadores.agricultura.gov.br/agrostat/
index.htm. Acesso em: jul. 2019.

 

8WORLD Economic Outlook update, July 2019: still sluggish global growth. International Monetary Fund, Washington, jul. 2019. Disponível em: https://www.imf.org/en/Publications/WEO/Issues/2019/07/18/
WEOupdateJuly2019. Acesso
em: jul. 2019.

 

 

 

 

Palavras-chave: carne de frango, São Paulo, produção.


 

Data de Publicação: 02/10/2019

Autor(es): Maximiliano Miura (miuramax@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor