Preços Recebidos pelo Agro Paulista em Fevereiro de 2020


 

O Índice de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR)1, 2 fechou o mês de fevereiro de 2020 em alta de 4,86%. Separado por grupos de produtos, IqPR-V (grupo de produtos de origem vegetal) e IqPR-A (produtos de origem animal) também fecharam positivos (Tabela 1).  

 

 

Quando a cana-de-açúcar (que tem peso em torno de 30% no IqPR e de 50% no IqPR-V) é excluída do cálculo do índice na ponderação dos produtos, a alta do IqPR (sem cana) alcança um valor percentual de 5,55% e o IqPR-V sem a cana sobe 5,25% (Tabela 1).

Destacaram-se, nessa inversão altista entre a 2ª semana e o fechamento de fevereiro dos produtos que compõem o IqPR, as altas dos ovos (22,18%), do tomate para mesa (21,18%), do amendoim (11,78%), da banana nanica (10,86%) e do feijão (10,60%) (Tabela 2). 

Para os ovos, a redução do plantel (com o descarte de aves em final de ciclo de postura) e a maior demanda pela principal fonte de proteína substituta às carnes deram a dinâmica das altas do produto no mês de fevereiro. A entrada da quaresma, período religioso tradicional de aumento do consumo de ovos, apresenta-se como um indicativo de alta para o mês de março.

No que se refere ao tomate, o excesso de chuvas, ao reduzir a qualidade e quantidade do produto ofertado no mercado paulista, interferiu diretamente na elevação dos preços recebidos pelos tomaticultores.

Já entre os produtos que reduziram seus preços, tiveram maiores quedas a carne suína (-9,18%) e o leite cru refrigerado (-5,15%).

 

 

Do conjunto analisado, 15 produtos apresentaram alta de preços (12 de origem vegetal e 3 de animal) e 4 tiveram queda (2 de origem vegetal e 2 de animal).

 

ACUMULADO DOS ÚLTIMOS 12 MESES PARA O IqPR COM CANA

No acumulado dos últimos 12 meses, o IqPR (geral) subiu 19,02%, o IqPR-V (vegetal) 16,27% e o IqPR-A (animal) 25,20% (Figura 1). Nesse intervalo, o IqPR variou positivamente em 8 meses. Fevereiro foi o primeiro mês de variação positiva em 2020 (Figura 2).

 

 

 

 

Numa realidade na qual o Índice de Preços Pagos (IPP) calculados no Instituto de Economia Agrícola (IEA), que apresenta um termômetro dos custos de produção agropecuários no Estado de São Paulo, teve uma variação positiva de 5,83% no acumulado dos últimos 12 meses, entende-se que os indicadores de renda no agregado (preços menos custos) estiveram positivos para a agropecuária paulista nesse intervalo. Contudo, individualmente, oito culturas, ao terem acúmulos de preços positivos abaixo do IPP ou negativos, dão indicativos de que obtiveram retornos contraproducentes (Tabela 2).

1A fórmula de cálculo do índice (IqPR) é a de Laspeyres modificada, ponderada pelo valor da produção agropecuária paulista. As cotações diárias de preços são levantadas pelo IEA e divulgadas no Boletim Diário de Preço. As variações são obtidas comparando-se os preços médios das quatro últimas semanas (referência) com os preços médios das quatro primeiras semanas (base), sendo a referência = 01/02/2020 a 29/02/2020 e base = 01/01/2020 a 31/01/2020.

 

2Artigo completo com a metodologia: PINATTI, E. et al. Índice quadrissemanal de preços recebidos pela agropecuária Paulista (IqPR) e seu comportamento em 2007. Informações Econômicas, São Paulo, v. 38, n. 9, p. 22-34, set. 2008. Disponível em: http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto.php?codTexto=9573. Acesso em: mar. 2020.
 

Palavras-chave: IqPR, índice, preços recebidos, índices agrícolas, variações, indicadores.

Data de Publicação: 09/03/2020

Autor(es): Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor