Estimativa Preliminar do Valor da Produção Agropecuária Paulista em 2015

 

       O cálculo do Valor da Produção Agropecuária (VPA) permite observar o desempenho econômico das principais atividades do setor, constituindo-se em um parâmetro de análise muito útil para tomadas de decisão, tanto por parte dos agentes dos diversos segmentos das cadeias produtivas para auxiliar no planejamento, como também pelo Governo na elaboração e implantação de políticas públicas.

         O valor bruto da produção agropecuária (VBP) de 2015 é estimado, preliminarmente, com base em um conjunto de 53 produtos da agropecuária e da atividade florestal paulista (safra 2014/15).

         Os dados de produção vegetal e animal foram obtidos dos Levantamentos por Municípios de Previsões e Estimativas das Safras Agrícolas do Estado de São Paulo, ano agrícola 2014/2015, realizados pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) e pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), ambos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo2, 3, 4, 5.

         Os preços dos produtos agropecuários foram obtidos do Banco de Dados do IEA6. O preço dos produtos olerícolas e frutas, exceto os de batata, cebola, mandioca e tomate e os de banana, laranja, limão e tangerina, foram obtidos junto à Companhia de Entreposto e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP)7, os quais foram ponderados por variedade para cada espécie e decompostos a partir dos preços de venda do atacado. Os preços dos produtos florestais foram obtidos em O Agronegócio Florestal Paulista em Agosto de 20158 e os de produção por meio de fontes primárias de entidades de classe do setor9.

         Os preços médios recebidos pelos produtores são valores médios correntes de janeiro a dezembro de 2014 (para o cálculo do valor do ano de 2014) e de janeiro a agosto de 2015 (para a prévia de 2015).

A atualização monetária dos valores obtidos para 2015 foi feita com base na inflação anual projetada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)10, em 9,53%.

         Para efeito de abordagem os produtos analisados foram classificados em seis grupos: Produtos para Indústria; Produtos Animais; Frutas Secas; Grãos e Fibras; Olerícolas e Produtos Florestais.

As variações do VPA de 2015 em relação a 2014 foram calculadas com base em índices de preços e de quantidade, elaborados pela forma de Fisher (base 2014 = 100)11 para os grupos de produtos considerados.

         O VPA paulista de 2015, em termos correntes, está preliminarmente estimado em R$61,5 bilhões contra R$55,7 bilhões no ano anterior, portanto 10,4% superior. Contudo, descontando-se a inflação do ano estimada em agosto, em valores reais, o VPA acusa uma redução de 0,2%. O aumento do VPA de oito dos dez primeiros produtos do ranking favoreceu a manutenção do VPA paulista, nos mesmos níveis do referente ao período anterior. O VPA da cana-de-açúcar, responsável por 37,4% do VPA do estado, acusou aumento de 9,1%, o da carne bovina (2º colocado) apresentou elevação de 27,7%, já o da soja, que ocupa a quinta colocação, resultou 37,7% superior e o do milho na sétima posição foi 16,8% superior, ao registrado em 2014  (Tabela 1).

Dos 53 produtos analisados, 19 apresentaram queda no VPA dos quais 12 foram superiores a 10%. Considerando o ranking dos dez produtos de maior VPA, o que apresentou queda mais expressiva foi o leite, cujo valor caiu 16,5% seguido pelo do café beneficiado que foi reduzido em 2,8%.

A soja que ocupava a nona posição em 2014 galgou degraus e está ocupando a quinta posição, o café subiu da décima para a oitava, por outro lado a laranja para indústria e os ovos caíram 1 posição - da quinta para a sexta e da sexta para a sétima posição, respectivamente. Os ovos de galinha subiram 1 posição - da oitava para a sétima posição.

O VPA do grupo de olerícolas apresentou o crescimento expressivo de 39,1%. Apesar de que dos doze produtos selecionados para compor este grupo, apenas três apresentaram queda de produção, sendo que o pimentão participa do valor total da produção com 0,22%, a alface com 0,5% e a batata com 1,74%. Os outros dez produtos apresentaram aumento de produção variando de 1,10% para o tomate para mesa e 28,56% para a batata-doce. O aumento dos preços das olerícolas foi expressivo, principalmente de cebola, cenoura, tomate para mesa e batata. Os preços recebidos pelos produtores paulistas de cebola apresentaram elevação de  81,25%. Os da batata também tiveram elevação acentuada. A maior variação dos preços desses produtos ao longo do ano é explicada pelo fato de apresentarem diversas safras anuais, a batata tem 1ª, 2ª e 3ª safras, diversas tecnologias de produção e diversas origens de abastecimento; já a cebola também pode ser de bulbinho, de plantio direto, de muda, etc. o que propicia maior oscilação no comportamento desses mercados.

 


 

 

O grupo de Grãos e Fibras também apresentou aumento expressivo de VPA, mas por conta dos ganhos de produção, basicamente influenciado pelos VPAs da soja e do milho, produtos com maior participação no grupo e que encontram-se bem colocados no ranking estadual. Merece destaque o comportamento do amendoim cujo VPA aumentou 38,1%, em função de expansão na produção de 36,5%.

O único grupo que apresentou redução do VPA foi o de Frutas Frescas, muito in­fluen­ciada pelos menores preços recebidos da banana (15,67%), que ocupa a 12ª posição no ranking do VPA do estado e também do limão, produto do grupo cujo preço recebido pelo produtor apresentou a maior queda (24,19%), produto que ocupa a 15ª posição.

O aumento de 0,40% no VPA do grupo dos produtos florestais é devido ao acréscimo de 1,0% na produção de madeira, tanto de eucalipto quanto de pinus. O setor de resinas, que contribuiu para a sustentação do nível do VPA de produtos florestais em 2014, em 2015 terá uma redução, visto que as cotações apresentaram-se 9,2% menores do que a verificada no ano anterior.

____________________________________________________________

1Posteriormente em outro artigo será apresentada a estimativa do valor da produção agropecuária por regiões.

2ANGELO, J. A. et al. Previsões e estimativas das safras agrícolas do Estado de São Paulo, ano agrícola 2014/15, novembro de 2014. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 10, n. 1, jan. 2015. Disponível em: </ftpiea/AIA/AIA-08-2015.pdf>. Acesso em: 9 out. 2015.

3______. et al. Previsões e estimativas das safras agrícolas do Estado de São Paulo, ano agrícola 2014/15, fevereiro de 2015. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 10, n. 4, abr. 2015. Disponível em: </ftpiea/AIA/AIA-25-2015.pdf>. Acesso em: 9 out. 2015.

4______. et al. Previsões e estimativas das safras agrícolas do Estado de São Paulo, ano agrícola 2014/15, abril de 2015. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 10, n. 6, jun. 2015. Disponível em: </ftpiea/AIA/AIA-45-2015.pdf>. Acesso em: 9 out. 2015.

5______. et al. Previsões e estimativas das safras agrícolas do Estado de São Paulo, ano agrícola 2014/15, junho de 2015. Análises e Indicadores do Agronegócio, São Paulo, v. 10, n. 8, ago. 2015. Disponível em: </ftpiea/AIA/AIA-57-2015.pdf>. Acesso em: 9 out. 2015.

6INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA - IEA. Banco de dados. São Paulo: IEA. Disponível em: <http://ciagri.iea.sp.gov.br/bancoiea/subjetiva.aspx?cod_sis=1&idioma=1>. Aces­so em: out. 2015.

7COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZÉNS GERAIS DE SÃO PAULO - CEAGESP. Banco de dados. São Paulo: CEAGESP. Disponível em: <http://www.ceagesp.gov.br>. Acesso em: ago. 2015.

8CASTANHO FILHO, E. P. et al. O agronegócio florestal paulista em agosto de 2015. Análises e Indicadores do Agronegócio,  São Paulo, v. 10, n. 9, set. 2015. Disponível em: <http://www.iea.sp.gov.br/out/verTexto. php?codTexto=13786>. Acesso em: 19 out. 2015.

9Associação Brasileira dos Produtores de Celulose e Papel (BRACELPA), Associação Brasileira da Indústria de Painéis de Madeira (ABIPA), Associação dos Resinadores do Brasil (ARESB) e Associação Brasileira dos Preservadores de Madeira (ABPM).

10INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Banco de dados. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/precos/inpc_ipca/ipca-inpc_201508_1. shtm>. Acesso em: out. 2015.

11HOFFMANN, R. Estatística para economistas. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1991. 42 p.

 

 

Palavras-chave: valor da produção, agropecuária paulista.

Data de Publicação: 23/10/2015

Autor(es): José Roberto Da Silva (josersilva@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Paulo José Coelho (pjcoelho@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Denise Viani Caser (dcaser@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Carlos Roberto Ferreira Bueno (cbueno@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Danton Leonel de Camargo Bini (danton.camargo@sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eder Pinatti (pinatti@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Eduardo Pires Castanho Filho (castanho@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor