Floricultura no Estado de São Paulo: novas fronteiras

Resumo:

O objetivo deste trabalho foi analisar os dados provenientes do levantamento realizado entre 1998 e 2003 pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI/SAA/SP) nas propriedades com produção de flores de corte, vaso e viveiro de plantas ornamentais e comparar os resultados com dados do período 1995-96. A floricultura paulista expandiu nos últimos anos a sua fronteira agrícola, com crescimento de 45% na área cultivada, passando de 3.564,5ha em 1995-96 para 5.181,4 ha em 1998-2003. Detectou-se neste trabalho que a renda familiar dos floricultores é proveniente da atividade agropecuária tendo a floricultura como exploração econômica principal, evidenciando-se a importância do setor como geradora de renda no campo. Do mesmo modo, a floricultura é uma atividade retentora de mão-de-obra na agricultura paulista, tanto familiar como permanente e temporária. A expansão na fronteira da área com floricultura, aqui detectada, na certa deve ter contribuído para o excelente desempenho do comércio exterior desse setor em 2003.

Artigo apresentado no XLII Congresso da Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural -25 a 28 julho, Cuiabá, MT.

Data de Publicação: 12/08/2004

Autor(es): Vera Lucia Ferraz dos Santos Francisco (veralfrancisco@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor
Ikuyo Kiyuna (ikuyo@iea.sp.gov.br) Consulte outros textos deste autor